Interessados em doar órgãos podem registrar desejo em site. Saiba como

Qualquer cidadão pode formalizar sua vontade de ser doador de órgãos digitalmente, com a Autorização Eletrônica de Doação de órgãos (AEDO)

Foto: Frank Molter/dpa (Photo by Frank Molter/picture alliance via Getty Images)

Foto: Frank Molter/dpa (Photo by Frank Molter/picture alliance via Getty Images)

As mais de 42 mil pessoas que aguardam um transplante de órgãos no Brasil ganharam um aliado importante na luta pela vida. Agora, é poss√≠vel que doadores formalizem a vontade de doar órgãos por meio de um documento oficial chamado Autorização Eletrônica de Doação de Órgãos (AEDO), dispon√≠vel para ser feito digitalmente em qualquer cartório do pa√≠s.

Até então, a autorização para doação dependia da fam√≠lia do doador, que precisava estar ciente da intenção da pessoa em doar seus órgãos e/ou tecidos. Com a AEDO, esta manifestação de vontade fica registrada em uma base de dados acessada pelos profissionais de sa√ļde, facilitando o processo no momento do óbito.

Desenvolvida pelo Colégio Notarial do Brasil – Conselho Federal (CNB/CF), a AEDO ser√° emitida digitalmente em todos os 8.344 Cartórios de Notas do Brasil. A iniciativa, regulamentada pelo Provimento n¬ļ 164/2024 do Conselho Nacional de Justiça (CNJ), busca facilitar o acesso dos cidadãos à formalização de sua vontade em ser doador de órgãos.

Saiba como funciona

Para obter a Autorização Eletrônica de Doação de Órgãos, o interessado precisa preencher um formul√°rio no site www.aedo.org.br.

Em seguida, o Cartório de Notas selecionado agenda uma sessão de videoconfer√™ncia para identificar o interessado e coletar sua manifestação de vontade.

Após isso, a AEDO é assinada digitalmente pelo solicitante e pelo not√°rio, ficando dispon√≠vel para consulta via CPF do falecido pelos respons√°veis do Sistema Nacional de Transplantes, do Ministério da Sa√ļde.

A plataforma estar√° acess√≠vel 24 horas por dia, 7 dias por semana, a partir de qualquer dispositivo com acesso à internet. Além disso, o cidadão pode especificar qual órgão deseja doar, seja medula, intestino, rim, pulmão, f√≠gado, córnea, coração ou todos eles.

Mais de 3 mil pessoas morreram esperando um transplante em 2023

No Brasil, a maioria das pessoas na fila √ļnica nacional de transplantes aguarda a doação de um rim, seguido por f√≠gado, coração, pulmão e pâncreas.

Tragicamente, no ano passado, tr√™s mil pessoas faleceram devido à falta de doação de órgãos, e mais de 500 crianças aguardam ansiosamente por um novo órgão.

Segundo o corregedor-nacional de Justiça, ministro Luis Felipe Salomão, o provimento que regulamenta a AEDO assegura que todos os cidadãos tenham acesso gratuito a um mecanismo seguro que promova e agregue o maior n√ļmero de doadores de órgãos e tecidos, respeitando a declaração de vontade do doador.

A presidente do CNB/CF, Giselle Oliveira de Barros, destaca que a AEDO resolve uma importante demanda social ao oferecer um documento oficial com plena validade jurídica, que comprova o desejo expresso em vida de uma pessoa em salvar a vida de outra. "Todo o procedimento agora fica simplificado, claro e seguro e, em poucos cliques, a pessoa certifica sua vontade em ser doadora", afirma.