Piauí: Pai é preso por estuprar filha de 15 anos e ameaçar filho de 7 anos que descobriu abusos em Parnaíba

Os crimes de estupro de vulner√°vel e ameaça aconteceram em 2023 em Parna√≠ba, no litoral do Piau√≠. Al√©m da prisão tempor√°ria, o celular do suspeito foi apreendido para ser periciado pela Pol√≠cia Civil.

Foto: Divulgação/PCPI

Foto: Divulgação/PCPI

Um homem de 34 anos foi preso, na terça-feira (18), suspeito de estuprar a filha de 15 anos e ameaçar o filho de sete anos caso ele contasse a alguém da família sobre os abusos. Os crimes aconteceram em 2023 em Parnaíba, no litoral do Piauí.

Segundo a delegada Ilana Barbosa, da Delegacia Especializados no Atendimento à Mulher e aos Grupos Vulner√°veis (Deamgv) de Parnaíba, o estupro e a ameaça cometidos contra os filhos aconteceram na casa do suspeito.

"A investigação chegou aos detalhes do ocorrido por meio de familiares, que perceberam inquietações por parte das crianças", informou a delegada.

Além da prisão tempor√°ria, o celular do homem também foi apreendido para ser periciado pela Polícia.

O suspeito foi conduzido à Central de Flagrantes de Parnaíba e deve responder pelos crimes de estupro de vulner√°vel e ameaça.

Média de tr√™s estupros por dia em 2024

O Piauí registrou, até junho deste ano, uma média de tr√™s estupros por dia. Segundo a Secretaria Estadual de Segurança Pública (SSP-PI), foram 581 casos no total. Chama a atenção o fato de crianças, adolescentes e outras pessoas em situação vulner√°vel serem 80% das vítimas.

Ao todo, foram 453 estupros de vulner√°vel. A particularidade inclui crianças e adolescentes menores de 14 anos e outras pessoas incapazes de consentir com o ato, como pessoas com algumas formas de defici√™ncia, sob forte efeito de √°lcool e outras drogas, entre outros. O restante de casos soma 128 vítimas.

Em relação aos cinco primeiros meses de 2024, quando a SSP-PI contabilizou 286 casos de estupro de vulner√°vel, o aumento é de 58%. A pena prevista na legislação brasileira é de 8 a 15 anos de reclusão. Se houver lesão corporal grave, aumenta para até 20 anos; em caso de morte, pode se estender até 30 anos.

Como denunciar casos de abuso sexual infantojuvenil?